Adolescentes en la escuela: grupos de reflexión para pensar en la práctica de la ciudadanía

Contenido principal del artículo

Sonia Maria Ferreira Koehler https://orcid.org/0000-0002-5747-9580
Georgiano Joaquim Pereira Antonio dos Santos https://orcid.org/0000-0002-7043-3624
Caique Felipe de Souza Correa https://orcid.org/0000-0002-7087-5676

Resumen

Este informe de experiencia titulado "Adolescentes en la escuela: grupos de reflexión para pensar sobre la práctica de la ciudadanía" se caracterizó como una investigación de acción y busca demostrar y discutir el proceso de un grupo de reflexión con adolescentes como una alternativa intervencionista. Este trabajo se presenta con el objetivo de fomentar el ejercicio de la ciudadanía activa en la escuela y también en otras áreas de la vida cotidiana. El estudio se realizó en 2019, con estudiantes de ambos sexos de la escuela secundaria, con edades comprendidas entre 14 y 17 años, en una escuela pública de una ciudad ubicada en el interior del estado de São Paulo / Brasil. Se estructuraron cinco grupos con un máximo de veinte estudiantes, que se inscribieron voluntariamente y fueron mediados por dos facilitadores del campo de la Psicología. En este informe describiremos la experiencia de un solo grupo en que se discutieron temas sobre las humanidades y sus desafíos, como el autoconocimiento, el papel de la escuela en la sociedad, las relaciones familiares, la salud, las relaciones de género, la desigualdad, el racismo, la injusticia. Al crear condiciones favorables para que los estudiantes puedan posicionarse, fue posible favorecer la articulación de nuevos conocimientos sobre los temas y con diferentes impactos aplicaron el aprendizaje en la escuela y en otros contextos.
Abstract 281 | PDF Downloads 134 HTML Downloads 79 EPUB Downloads 14 PDF (English) Downloads 10

Citas

Alberto, M.F.P., Medeiros, F.C., & Paiva, I.L. (2018). Participação e protagonismo da juventude: experiências em socioeducação e direitos humanos. En M.F.P. Alberto & A.P. Lucas (Eds.), Experiencias mundiales de ciudadanía de la infancia y adolescencia (pp. 56-76). Editora UFPB. https://bit.ly/2YDKHTb.
Benevides, M.V.M. (1996). Educação para a democracia. Lua Nova: Revista de cultura e política, (38), 223-237. http://doi.org/10.1590/S0102-64451996000200011
Beresford, T.L. (2019). Service-learning: uma aposta para o futuro [Dissertação de Doutorado, Universidade do Minho: Escola de Economia e Gestão]. Repositório Universidade do Minho. https://bit.ly/2BI3Lqp.
Campos, V.F.A. (2015). Linguagem e psicoterapia gestaltista. Ideias & Letras.
Carvalho, C. (2011). Psicodrama e dinâmica de grupo. Iglu.
Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. https://bit.ly/3hNRocO.
Emenda constitucional, n° 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. https://bit.ly/2Z0oI7P.
Freire, P. (2005). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra.
Galvão, I. (2003). Expressividade e emoções segundo a perspectiva de Wallon. En V.A. Arantes (Ed.), Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas (pp. 71-88). Summus.
Governo do Estado de São Paulo (2003, 2 fevereiro). A importância dos Conselhos de Escola e Classe para o desenvolvimento do aluno. https://bit.ly/3epJX9D.
Governo do Estado de São Paulo (2002) Caderno Grêmio em Forma. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. https://bit.ly/2YH1Prl.
Koehler, S.M.F. & Pinheiro, S.I. (2020). Juventudes em busca de sentido: alunos universitários salesianos e jovens da escola pública desenvolvem oficinas na vertente pedagógica e psicológica para pensar a vida. En M. S. R., Villagómez, R.R. Soffner & L. Marques (Coords.), Desafios de la educcion salesiana: experiências y reflexiones desde las IUS (pp.167-197). Editorial Universitária Abya-Yala. https://bit.ly/3gABqRF
Lei n° 7.398, de 4 de novembro de 1985 (1985). Dispõe sobre o Grêmio Estudantil: organização de entidades representativas de estudantes de 1° e 2° graus e dá outras providências. https://bit.ly/3eFsAC4.
Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990 (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. https://bit.ly/2YloclR
Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira.(LDB) https://bit.ly/316jvy2
Lei n° 12.796, de 4 de abril de 2013 (2013). Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. https://bit.ly/2NiTio1.
Liberati, W.D. (2010). Comentários ao Estatuto da Criança e do Adolescente. Malheiros Editores.
Lopes, M.E.B., & Oliveira, S. d. F. (2010). Aprender a ser. Pedagogia em Ação, 2(2), 109. https://bit.ly/3gCNWA5
Maciel, M.R. (2016). Psicanálise e Educação. Person.
Meirelles, F., & Sanches, R.M. (2005). Um olhar psicanalítico na instituição educaional: o psicodiagnóstico institucional. En R.M. Sanches (Ed.), Winnicott na clínica e na instituição (pp. 159-172). Escuta.
Moreira, M.A.M. (2010). A democracia radicalizada: crianças e adolescentes como agentes de participação política. En Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito - CONPEDI (Ed.), Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI (pp. 7105-7126). CONPEDI. https://bit.ly/2NF9dx3.
Paganini, J., & Sartor, P.J. (2018). A cidadania participativa exercida pela criança e pelo adolescentes no Brasil: breves reflexões teóricas. En Universidade de Santa Cruz do Sul-UNISC (Ed), Anais do XIV Seminário Nacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea. UNISC. https://bit.ly/2D6itIX
Papalia, E.D. & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano (13a ed.). Artmed.
Ribeiro, D. (2017). O que é lugar de fala? Editora Letramento.
Perez-Galvan, L.M. & Ochoa-Cervantes, A. d. l. C. (2017). La participacíon de los estudiantes en uma escuela secundaria. Revista Mexicana de Investigacíon Educativa, 22(72), 179-207. https://bit.ly/2BiDm2C.
Saraiva, J.B.C. (2009). Adolescente em conflito com a lei da indiferença à proteção integral: uma abordagem sobre a responsabilidade penal juvenil. Livraria do Advogado Editora.
Silva, A.M.M., & Tavares, C. (2011). A cidadania ativa e sua relação com a educação em direitos humanos. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 27(1), 13-24. https://bit.ly/2YIa0mH
Silva, M.A.M., & Araújo, U.F. (2019). Aprendizagem-seviço e Fóruns Comunitários: articulações para a construção da cidadania na educação ambiental. Ambiente & Educação, 24(1), 257-273. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v24i1.8157.
Szabó, I., & Risso, M. (2018). Segurança pública para virar o jogo. Companhia das Letras.
Thiollent, M. (1996). Metodologia da pesquisa-ação (7a ed.). Cortez.
Trevisan, G., & Fernandes, N. (2018). Cidadania ativa na infância: roteiros metodológicos. En M. F. P. Alberto & A. P. Lucas (Eds.), Experiencias mundiales de ciudadanía de la infancia y adolescencia (pp. 121-139). Editora UFPB. https://bit.ly/2YDKHTb.
Trevisol, J. (2003). O reencantamento do humano: processos de ampliação da consciência na educação. Paulinas.
UNESCO (2012). Cá entre nós: guia de educação integral em sexualidade entre jovens. Governo do Estado de São Paulo/UNESCO. https://bit.ly/2NEWBG1.
UNESCO (2016). Educação para a cidadania global: tópicos e objetivos de aprendizagem. UNESCO. https://bit.ly/2CKlg9X.
Zaro, J., & Custódio, A.V. (2019). Agir participativo e comunicativo: fundamentos filosóficos e legais da participação da criança e do adolescente nas políticas públicas. Revista Brasileira de Sociologia do Direito, 6(3), 223-245. https://bit.ly/3gC89G4
Zarpelon, L.F.B., Terencio, M.L., & Batista, N.A. (2018). Integração ensino-serviço no contexto das escolas médicas brasileira: revisão integrativa. Ciência e Saúde Coletiva, 23(12), 4241-4248. https://doi.org/10.1590/1413-812320182312.32132016
Zimerman, D. E., & Osorio, L.C. (1997). Como trabalhamos com grupos. Artes Médicas.